Ceagesp tem manifestação contra mudança da Leopoldina

0
2225

Foto: Divulgação

Divulgação
Paulo Murad: pesquisa mostra que 82% do pessoal é contra a mudança da Ceagesp da Leopoldina

Uma manifestação contra a mudança da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) da Vila Leopoldina movimentou a manhã de quinta-feira, 19, no maior entreposto de alimentos da América Latina. Pela primeira vez, comerciantes e trabalhadores dos segmentos de flores, hortifrutigranjeiros, pescado e carregadores (Sincomflores, Sincomat, Acapesp e Sindicar) se manifestaram contra a possível saída do Entreposto Terminal de São Paulo da Leopoldina. Segundo os organizadores, cerca de 600 pessoas participaram da manifestação.

O protesto foi uma reação à divulgação da possível transferência da Ceagesp para uma área em Perus, que ganhou força durante a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT). Três dias antes de deixar a prefeitura (em 28 de dezembro), Haddad assinou o decreto que aprovou o Projeto de Intervenção Urbana do Novo Entreposto de São Paulo (PIU-NESP) em Perus, criado por um grupo de investidores que conta com alguns permissionários do entreposto da Leopoldina. Com o ato, o prefeito petista autorizou o conselho do Novo Entreposto de São Paulo, a apresentar o projeto do novo empreendimento (privado) em Perus, que prevê a saída do atacado e logística da Ceagesp, empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do governo federal, para um terreno na zona norte da cidade, próximo ao Rodoanel.

O estopim da manifestação foi à reunião em dezembro de sócios responsáveis pelo NESP e o ex-prefeito Haddad com o Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, em Brasília. Na ocasião foi apresentada ao ministro a proposta do NESP como uma alternativa à Ceagesp (ligada ao MAPA).

Sindicato – Para o diretor jurídico do Sincomflores (Sindicato do Comércio Atacadista de Flores e Plantas do Estado de São Paulo), Paulo Murad, o grupo não representa a vontade da maioria do mercado. Segundo Murad, uma pesquisa mostra que 82,5% do pessoal (comerciantes, produtores e trabalhadores da Ceagesp) não quer a mudança. “Queremos a revitalização do entreposto. Meia dúzia de pessoas vai até o ministro e apresenta uma posição que não reflete a opinião de todos”, afirmou o diretor do Sincomflores.

A mudança na presidência do entreposto estava na pauta de reunião do Conselho Administrativo (CONSAD) da Ceagesp na quinta-feira, mas foi adiada depois que as entidades entregaram ao representante do Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Francisco de Assis da Silva Lopes, ofício com a pesquisa feita em todos os segmentos do entreposto, denunciando que há “interesses de grupos políticos e econômicos envolvidos na mudança de local, que visam à especulação imobiliária e interesses pessoais, divorciando-se do papel de abastecimento de alimentos do Entreposto, causando a substituição de três diretorias em apenas 14 meses”.

A Ceagesp informa que na reunião do Conselho (dia 19) ficou decidido que a indicação do novo presidente será feita até o final de janeiro. O atual presidente, Antonio Carlos do Amaral Filho permanece no cargo até que receba novas instruções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ao qual a Ceagesp é subordinada. “O ministro precisar vir aqui para entender que tem muita gente contra a mudança da Ceagesp”, conclui Murad.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA