Pressa e representação

0
53

Eficiência tem sido a bandeira defendida pela Prefeitura nesta gestão. Que a cidade tem pressa e necessidade de mais equipamentos e melhorias nos serviços não existe dúvida. Mas a pressa também reduz drasticamente as chances de uma construção coletiva na política. Na apresentação do CTA da Lapa de Baixo, realizada na segunda-feira (30), dois fatos foram notáveis: a ausência dos moradores que criticaram a instalação do equipamento, e que inauguração nem sempre quer dizer pronto para o uso.

Em relação à ausência dos vizinhos do CTA no evento, perde-se a oportunidade de fazer um contato direto com o prefeito e expor seu posicionamento. Trabalho esse delegado às associações, que funcionam como canal de comunicação para as diversas vozes de um bairro. “Estamos aqui com a presidente da associação dos moradores, que fez inclusive um depoimento bastante favorável. Depois que ela conheceu mais detalhes de como funciona, ela compreendeu, aceitou e tem falado com os demais moradores”, disse o prefeito na coletiva de imprensa. Mas, na região, ainda é possível encontrar residentes insatisfeitos. O abaixo-assinado que foi enviado ao Ministério Público, contrário ao CTA, foi indeferido, com o entendimento de que não há irregularidade na instalação do equipamento no local, e tampouco a unidade gera risco presumido à população. Edna Martins, que assinou a petição, informa que vai recorrer da decisão.

Já sobre a usabilidade do equipamento surgem algumas considerações. Na inauguração foi possível verificar um espaço recém-reformado, com eletrodomésticos e produtos doados por empresas que, segundo o prefeito, foram solidárias e o fizeram sem nenhuma contrapartida, sem custos para o governo. Mas ao examinar mais de perto, era possível ver algumas pendências que permaneceram. A parte elétrica não estava acabada, a ONG que administrará o espaço foi definida, mas os funcionários ainda não foram selecionados, e, mesmo sem uso, todos os ralos, alguns com as grelhas soltas, estavam com bastantes folhas e resíduos da obra, que para o bem dos usuários devem ser retirados antes do período de chuvas. O prefeito anunciou a abertura do CTA ao público para o dia 6 de novembro, porém, a supervisora de Assistência Social da região, Cleide Leonel Amaro Mendes, acredita que o funcionamento será posterior ao anunciado, para arrumar os detalhes que faltaram. O prefeito quer inaugurar mais dez equipamentos como esse pela cidade até o final do ano. Esperamos que as empresas continuem solidárias e que não se perca tempo e dinheiro para corrigir as eventuais pendências. Estrear algo sem de fato estar pronto não parece funcional. Quem sabe ainda possamos ver uma inauguração com a presença de moradores, usuários e governo, juntos em uma verdadeira participação comunitária.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA