Contradições urbanas

0
511

Um mar de contradições. Assim podemos encarar o discurso técnico do arquiteto Marcelo Benardini, responsável da Secretaria Municipal de Planejamento (Sempla) sobre Operação Urbana Leopoldina-Jaguaré.
Ao falar publicamente sobre o tema, Bernardini pecou por não conseguir superar alguns paradoxos, que abrem imensos abismos entre a realidade concreta e as intenções colocadas no papel pela tecnoburocracia da Sempla.
Uma das contradições do discurso do arquiteto oficial reside na questão das moradias populares. Em 2004, Bernardini assim escrevia sobre Operação Urbana Leopoldina e habitação social: “O censo de 2000 indicava que dos 48.000 habitantes do perímetro, cerca de 14.500 residiam em habitações subnormais, Prevê-se a execução de obras de melhorias na Favela do Jaguaré, além da criação e implantação de sete Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS), seis já revistas no PRE Lapa”.
Ora, como é que a voz oficial da Sempla e da atual gestão municipal pode falar em ZEIS (áreas para moradias populares) na Leopoldina se a própria Prefeitura não crê que elas são importantes para o bairro? Basta lembrar que o então secretário de Assistência Social, Floriano Pesaro, ao olhar para ZEIS da caixaria da Ceagesp disse o seguinte .“Veja só esses prédios (para a classe média). O metro quadrado vale muito por aqui. Não há razão para essa área ser ZEIS. Se deixarmos isso aqui se transformar numa ZEIS vamos atrapalhar o desenvolvimento da região”.
Bernardini diz, ainda, que o redesenho urbano depende de investimentos no metrô. Ele bem que poderia ler o Plano Regional Estratégico da Sub Lapa (PRE Lapa). Tal texto projeta para 2012 uma estação no coração da Leopoldina (Av. Gastão Vidigal com rua Potsdan). No entanto, a Secretaria de Transportes Metropolitanos não tem planos imediatos para o metrô na Leopoldina.
Ninguém de bom senso é contra o desenvolvimento urbano. Porém, as contradições que aqui apontamos são motivos mais do que suficientes para começarmos a discutir seriamente não só a Operação Urbana, como também a revisão do PRE-Lapa ,iniciativas do Executivo, e a proposta de Plano de Bairro da Vila Leopoldina que virá do Legislativo. É a partir desses instrumentos que a comunidade poderá usufruir de uma verticalização acompanhada de investimentos em transporte público, rede de esgoto, galerias de águas pluviais, dimensionamento adequado da rede elétrica, entre outras obras de infra-estrutura necessárias.

COMPARTILHE
Próximo artigoPRESTIGIO

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA