Casal setentão em|ritmo de aventura

0
826

Foto:

Moradores da Pompeia, Dagô e Iara gostam da sensação de liberdade da moto

No mês do idoso, o casal da Vila Pompeia, Iara e Dagoberto Nastromagario, prova que a vida na terceira idade pode ser uma aventura muito interessante. Ela tem 70 anos e ele 74, e ao contrário de muitas pessoas da mesma idade, que em geral pensam em doença e médicos, eles viajam sempre juntos. Com uma agenda lotada, os dois têm compromissos todos os dias com familiares ou amigos.
O que chama atenção na dupla é a paixão por motocicleta. Dagoberto é motociclista há 58 anos e Iara há 48 é sua garupeira oficial. “Sem ela a viagem não tem graça”, diz o veterano motociclista com a voz de apaixonado.
Empresário aposentado, ele conta que antes fazia viagens mais rápidas por causa dos negócios, hoje já não tem pressa. Iara além de acompanhar Dagô, tratamento carinhoso que dá ao marido, divide seu tempo com seus dois filhos e netos que também moram na centenária Pompeia. Sozinhos, com poucos casais ou com o grupo Pegasus de motociclistas, eles estão sempre se aventurando pelas estradas na Harley-Davidson Fat-Boy 1600 cilindradas ou na BMW 1100, duas motocicletas consideradas “filé” por Dagô. “Viajamos muito de motocicleta, mas nunca tive um acidente”, diz ele. “A sensação é de liberdade”, define Iara o prazer de viajar de moto.
O gosto de Dagô pelo veículo de duas rodas veio bem antes de conhecer Iara, ainda na infância. “Minha paixão por motocicleta começou em 1943, aos sete anos, quando morava no Sumaré. Pegado a nossa casa morava o seu Santini que tinha uma motocicleta. Quando ele chegava com a moto eu ficava todo ouriçado. Um dia, ele saia para trabalhar e me convidou para andar na moto. Fomos até a esquina, ali nasceu minha paixão pela motocicleta”, relembra Dagô.
Com aparência diferente dos anos de juventude, ele garante: se fechar os olhos me sinto com dezoito anos, só o corpo mudou. Dagô só lembra da idade quando conta as histórias da época correu nos “200 quilômetros de Interlagos” e na “6 Horas” onde chegou (com o companheiro de revezamento) em segundo lugar e foi destaque dos jornais da época, em 1958. A idade é um detalhe para ele.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA