Razão e ciência

0
2058

Vivemos uma verdadeira catástrofe ambiental em nosso país. Isso é inegável. O assunto ganhou destaque até no caótico debate presidencial da maior nação do mundo. E não adianta usar uma frase de impacto que diz “a hora de agir é agora”, porque na verdade a hora de agir já passou. Cabe a nós tentar administrar as crises atuais e as que virão da melhor forma possível.

E por falar em administração de crise, tivemos uma boa notícia em relação ao maior problema do ano, a pandemia. O número de mortes está em tendência de queda na região, caso da Vila Leopoldina, sem mortes entre agosto e setembro. De todos os motivos que levaram a isso, não podemos negar que ter uma comunidade mobilizada e atuante para um bem maior é fundamental. Agentes locais se uniram para ajudar os que mais precisam. Sabemos pelos dados dos últimos inquéritos sorológicos que as consequências da Covid-19 são piores para quem vive em comunidades. E a Leopoldina, com três comunidades, conseguiu atender e cuidar das pessoas que lá vivem.

Precisamos desse tipo de união não só na área da saúde, mas em todas, especialmente a ambiental. Está em andamento a 10ª Virada Sustentável, que chama a atenção sobre a importância de cuidar do planeta, reciclar tudo que for possível e viver de uma maneira mais sustentável. Na Lapa, a programação contou com o evento de grafite “Cem Minas na Rua”, que desde 2018 une a pauta ambiental ao protagonismo feminino. Alguém pode questionar: “o que uma ação de arte pode fazer pelo meio ambiente?”. A resposta é que a arte pode fazer o principal: conscientizar. Trazer o assunto para debate é a principal forma de mobilizar pessoas e comunidades e instigá-las a fazer algo.

Esse inclusive é um dos grandes papéis de todas as linguagens artísticas. Não se trata apenas de entreter, mas de provocar, mostrar realidades que desconhecemos, causar um desconforto catártico, desconstruir preconceitos, fazer pensar. Portanto é mais do que justificado o aporte de recursos que será destinado a artistas, coletivos e espaços culturais com a Lei Aldir Blanc.

Se unir por um bem maior também está em ajudar os responsáveis pelo futuro. Caso do Sesi que irá oferecer a formação gratuita de professores em 2021. Apoiar a educação também é apoiar a ciência. Se tivéssemos dado mais importância a tudo o que os cientistas dizem há anos, talvez não tivéssemos problemas ambientais da dimensão que temos hoje. Também devemos estar do lado da ciência quando a vacina contra o coronavírus sair. Nada justifica o apego às teorias da conspiração e desconfiança em governos e nações. Você tem todo o direito de ter suas posições políticas e uma forma específica de ver o mundo. Mas quando o assunto for saúde pública, escute os cientistas.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA