Lapa recebe primeira Casa de Cidadania LGBTI da Zona Oeste

0
841

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Equipe multidisciplinar da unidade da Vila Ipojuca

O imóvel do número 603 da Avenida Ricardo Medina Filho, na Vila Ipojuca, abriu suas portas para receber a comunidade na quinta-feira (15), com a inauguração da Casa de Cidadania LGBTI Cláudia Wonder. O equipamento é uma parceria entre a ONG Casarão Brasil e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. No local serão oferecidos diversos atendimentos pedagógicos, psicológicos e profissionalizantes para LGBTIs, com foco especial em pessoas trans. “Esse projeto visa atender a população LGBT e, dentre eles, a mais vulnerável é a de meninas travestis e transexuais que têm dificuldade de serem inseridas no mercado de trabalho. Elas vão passar por todo um acompanhamento com nossa equipe técnica, com psicólogos, assistentes sociais e advogado para orientação jurídica de demandas específicas. Tem muita procura por alteração de nome social, que é um direito da pessoa previsto na legislação ser chamada pelo nome que ela se intitula, e para que ela possa alterar a certidão de nascimento e ser tratada como mulher. Nos atendimentos, principalmente nos postos de saúde, elas sentem constrangimento quando são chamadas pelo nome de registro”, explica Rogério Oliveira, coordenador do projeto.

A previsão é que a casa atenda entre 60 e 80 pessoas com cursos de idiomas, informática, panificação, confeitaria, jardinagem, oficinas de artes plásticas, de entrevista de emprego, desenvolvimento de currículo, comportamento, administração, entre outras. A casa foi nomeada em homenagem à artista e ativista pioneira dos direitos LGBT Cláudia Wonder, que sofreu diversas violências apenas por ser quem é.

Durante a inauguração estiveram presentes a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, e a vereadora Soninha Francine. “Ainda não tinha nenhuma unidade como essa na região oeste e é um ponto de referência super importante. É impossível pensar em população LGBT e não pensar na violência que faz parte da vida deles. Saber que tem um lugar onde pode procurar apoio, orientação, inciativas até para uma ação judicial se for o caso, é muito bom. E mais do que isso, tem pedagogos na equipe, vai ter turma de alfabetização de adultos e temos muitos casos de travestis e trans que sofrem evasão escolar por expulsão, que não conseguem continuar na escola porque sofrem muita violência lá dentro. Então mais do que acolher, receber denúncias e tomar providências, essa unidade serve para promover inclusão, com educação, formação para o trabalho, colocação profissional e bom relacionamento com as pessoas”, declarou a vereadora.

Outra novidade é que a região contará com uma Unidade Móvel de Cidadania LGBT. O veículo é equipado e adaptado para realizar até três atendimentos simultâneos a vítimas de homofobia, atendimentos de saúde, orientações de serviços e programas da Coordenação de Políticas LGBT, como o Centro de Cidadania LGBT, o Plano de Saúde Integral e o Programa Transcidadania.

Mais informações sobre a Casa de Cidadania LGBTI Cláudia Wonder estão disponíveis no site (www.casaraobrasil.org.br) e perfil do Instagram @casarao_brasil.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA