Amesp realiza roda de conversa sobre o Parque da Água Branca

0
305

Foto: Reprodução

Reprodução
Usuários pedem adiamento do processo de elaboração do plano diretor do parque

A Associação dos Moradores e Empresários do Sumaré, Perdizes, Pompéia e Barra Funda (Amesp) organizou uma roda de conversa virtual sobre o Parque da Água Branca na quarta-feira (24), data que marcou os 30 dias da abertura da consulta pública sobre o plano diretor da área verde.

Letícia Azevedo de Almeida, geógrafa e assessora técnica da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) explicou o plano, com setorização das áreas do parque em partes com foco ambiental e de cultura e lazer. Rafaela Di Fonzo Oliveira, da Coordenadoria de Parques e Parcerias, afirma que desde que foi aberta, a consulta pública recebeu mais de 90 contribuições da população e usuários. O encontro também contou com a presença de Priscila Cipolini Maria, gestora do parque.

Filipe Fornari, presidente da Amesp, falou da importância de preservar as características do parque e, com o fim da pandemia, sugeriu a possibilidade de criar grupos de voluntariado para auxiliar no cuidado da área verde.

A moradora e integrante do Comitê da Praça Conde Francisco Matarazzo Junior, Jupira Cauhy, ressaltou a importância da participação social no processo. Na segunda-feira (22) foi entregue ao secretário Marcos Penido, de Infraestrutura e Meio Ambiente, e ao secretário-adjunto Eduardo Trani, uma carta com mais de 500 assinaturas pedindo o adiamento da elaboração do Plano Diretor do Parque da Água Branca, uma vez que nem todos os usuários têm estrutura e disponibilidade para participar do processo de forma remota. Mesmo com a carta, o período para o recebimento de contribuições se encerrou na sexta-feira (26).

Questionada sobre a possibilidade de prorrogar o processo participativo, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) afirma que em razão da pandemia adaptou suas atividades para o formato virtual de modo que não haja prejuízos à administração pública e à sociedade, citando como exemplos os processos de concessão do Zoológico e Jardim Botânico. Também afirma que já foram aprovados os planos diretores dos parques Villa-Lobos e Cândido Portinari. Por fim, declara que as plenárias mensais, agora virtuais, do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) seguem o rito habitual de Audiências Públicas sobre pautas significativas, como os projetos de concessão dos Parques da Cantareira e Alberto Löfgren (Horto Florestal), e o Plano de Resíduos Sólidos e que a participação da população nestas reuniões aumentou 107% após a implementação do formato on-line.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA