Consumidor deve ficar atento aos preços de materiais escolares

0
685

Foto: Samuel Barcellos

Samuel Barcellos
Papelaria Lapapel já recebe clientes em busca de itens pedidos pelas escolas

Início de ano é sinônimo de despesas. Para citar algumas estão os gastos com IPVA, IPTU, fatura de cartão de crédito com as compras de Natal, entre outros. Outra despesa típica de janeiro é o material escolar. Segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, divulgada na terça-feira (9), é possível detectar uma diferença de preço de 260% para um mesmo produto na capital. Por exemplo, uma simples caneta esferográfica pode ser encontrada em um estabelecimento por R$ 1,75 e em outro por R$ 6,30. Após uma comparação de 136 produtos presentes na pesquisa mais recente e na de 2017, também foi constatado em média um acréscimo de 9,25% no preço dos itens, sendo que o IPC-SP (Índice de Preços ao Consumidor de São Paulo) da FIPE, referente ao período, registrou uma variação de 2,45%.

Algumas dicas podem ser úteis na hora de comprar os itens das listas e economizar, como reaproveitar materiais que estão em boas condições de uso como mochilas, réguas, tesouras, etc, pesquisar preços na internet, mesmo que a preferência seja por fazer a compra em uma loja física e checar descontos para pagamentos realizados à vista. Quem tem filhos em idades diferentes, pode verificar se algum livro didático já não foi adquirido para que possa ser passado de um para o outro. Paulo Prospero, proprietário da papelaria Lapapel, que atende boa parte das escolas da região, afirma que as buscas por material escolar já começaram. “Já está começando, mas na segunda quinzena de janeiro a procura é maior”, diz.

Já grandes redes como a Kalunga oferecem facilidades como parcelamento em 12 vezes sem juros, frete grátis para compras acima de R$ 250 e produtos com desconto. O consumidor também deve ficar atento às exigências abusivas. As escolas não podem exigir a aquisição de material de uso coletivo, como materiais de escritório e higiene pessoal, conforme determinação da Lei nº 12.886 de 26/11/2013.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA