Secretário inicia diálogo para resolver pendências do Hospital Sorocabana

0
159

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Secretário e comissão de parlamentares fazem vistoria no Hospital Sorocabana

Edson Aparecido, secretário municipal da Saúde, Carlos Fernandes, prefeito regional da Lapa, e membros da Comissão Permanente de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher da Câmara Municipal de São Paulo realizaram uma vistoria no Hospital Sorocabana na quarta-feira (5). Participaram os vereadores Patrícia Bezerra, presidente da comissão, Gilberto Natalini e Amauri Silva. A vereadora Soninha Francine também acompanhou, assim como assessores do Fábio Riva e Sâmia Bomfim. Estiveram presentes representantes de coletivos, do conselho participativo municipal da Lapa e conselheiros de saúde da região.

Aparecido manifestou o interesse da Prefeitura em reabrir o Sorocabana, mas ressaltou que primeiro é necessário resolver as pendências jurídicas em relação à propriedade do terreno para depois discutir qual o formato de atendimento que será realizado no hospital. “Nada poderá ser feito aqui se não houver uma solução definitiva da questão jurídica da posse do equipamento. Enquanto isso não acontecer ninguém pode mexer no prédio, não posso mexer em nenhum papel, em nenhum prontuário que está aqui dentro. A Prefeitura não tem nenhum poder jurídico sobre isso, então esse é o primeiro passo que a gente precisa dar. Como há pendência jurídica, a posse do Estado ainda é uma posse por liminar, e precisamos ter uma posse definitiva. Com isso, o Estado pode passar definitivamente a posse da área para a Prefeitura e aí pode se estruturar uma solução para o hospital. O anseio da população, por ser uma região com oferta menor de leitos, é que seja pelo SUS. Essa reivindicação nós vamos estudar de forma transparente com toda a população. Vai ter que envolver o Estado e a União, porque a construção de uma solução econômico-financeira não é pequena. Isso aqui não é só estalar o dedo e abrir, vai custar milhões”, diz.

Aparecido afirma que será realizada uma reunião, possivelmente na próxima semana, com o secretário de Governo Aldo Rebelo, com o secretário de Saúde do Estado Marco Antonio Zago e com os procuradores gerais do Estado e do Município para discutir o encaminhamento jurídico da posse do equipamento. Na quarta-feira (12) será realizada uma audiência pública na Câmara Municipal (Viaduto Jacareí, 100) para discutir as soluções para o Sorocabana, às 13h, no Salão Nobre.

Natalini afirma que o início do diálogo é positivo. “Estou esperançoso novamente porque o Estado e o Município estão falando a mesma linguagem. Já tem projeto de reforma pronto, que foi feito em 2010 ou 2011, só precisa rever. Na época ficava em R$ 56 milhões. Tenho esperança que a gente consiga garimpar o dinheiro necessário para a reforma, para equipar e entregar esse hospital funcionando. Na minha opinião tem que ser 100% SUS, não comungo da ideia que tenha leito privado. A Lapa não tem leito público”, declara.

Laís Taranto Segala, representante dos usuários nos conselhos do AMA Sorocabana, CER II e Hora Certa ressalta a importância dos leitos. “Chegam emergências, o AMA faz o atendimento, mesmo sobrecarregado, mas não tem leito então o paciente vai para Pirituba que também não tem leito, e fica esse doente transitando de um lado para o outro, sem o devido cuidado”, relata.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA