Entidades doam câmeras para paróquia na Leopoldina

0
997

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Representantes da Amocity, AVL e Conseg Leopoldina entregam quatro câmeras

reunião do Conseg Leopoldina de abril foi realizada na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na segunda-feira (22). O encontro contou com homenagens ao Corpo de Bombeiros e ao presidente do conselho Jairo Glikson, além de contar com a presença da promotora de Justiça Nilza Pinheiro Chaim. “As reuniões do Conseg são importantes porque as melhores soluções são encontradas pela própria comunidade”, declarou.

Moradores de um condomínio localizado na frente da paróquia denunciaram uma ocorrência em que três pessoas invadiram o prédio e picharam a parte superior da fachada. Os vizinhos sugeriram que, apesar de benéficas, as refeições que a igreja oferece para a população em situação de rua poderiam acobertar a presença de criminosos como os que realizaram a pichação. Os membros da paróquia rebateram a crítica e afirmaram que conhecem o público que frequenta a igreja, composto por pessoas que não realizariam o ato de vandalismo.

Após a discussão, Sinuhe Alberice anunciou que as associações Amocity e AVL iriam doar câmeras para a paróquia, para aumentar a segurança do entorno.

Doação

Representantes da Amocity e da AVL, acompanhados por Flávia Ricci e Jairo Glikson do Conseg Leopoldina, estiveram na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes na quinta-feira (25) para entregar ao Frei Marcus Vinícius Leite as quatro câmeras prometidas na reunião do Conseg. As associações receberam os equipamentos da prefeitura e vão pagar o custo do armazenamento das imagens na nuvem para que os equipamentos possam integrar o Projeto City Câmeras. As entidades também disponibilizaram câmeras para condomínios da Vila Leopoldina e nas entradas das três estações de trem do bairro, Ceasa, Imperatriz Leopoldina e Domingos de Moraes.

O grupo aproveitou para ver o trabalho realizado por voluntários da paróquia que preparam as refeições que são servidas de segunda a sexta-feira para a população em situação de rua. Conhecido como “sopão”, o jantar é na verdade uma refeição completa e balanceada. “Felizmente recebemos muitas doações, incluindo da Ceagesp”, afirma Rita de Cássia da Silva, nutricionista e voluntária da paróquia. Cerca de 10 a 12 pessoas trabalham por dia para o preparo dos alimentos e são servidas de 120 a 150 refeições diárias.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA