Instituto Rogacionista completa 50 anos

0
866

Foto: Divulgação

Divulgação
Instituto começou atividades sociais na região com crianças da Comunidade Água Branca

O Instituto Rogacionista Santo Aníbal completou na sexta-feira (2) 50 anos. Para celebrar a data, foi realizada uma missa na capela que fica na sede do instituto, seguida por uma cerimônia de comemoração. O Instituto Rogacionista foi fundado com a finalidade de atuar nas áreas de assistência social e educação, conforme os ensinamentos e as práticas de Santo Aníbal Maria Di Francia, ao mesmo tempo que tenta estabelecer um compromisso com as políticas públicas sociais preconizadas pela Constituição Federal.

Dulcinéa Pastrello, diretora executiva do Instituto Rogacionista, conta como ao longo dos anos o trabalho desenvolvido pela entidade ganhou uma formatação de política pública. “Em 23 anos que estou aqui aprendi e estudei muito porque os padres e a diretoria me permitiram e se envolveram. O primeiro presidente do Conselho Municipal de Assistência Social da cidade de São Paulo foi o nosso diretor, Padre Ângelo Mezzari, em 2000. Ele montou o orçamento de assistência social, que ainda não existia à época do governo Pitta, e dedicou dois anos à cidade”, afirma. Dulcinéa relata que várias pessoas atendidas pelo instituto quiseram contribuir, da mesma forma que foram ajudadas no passado. “Não queremos manter as comunidades da região do jeito que elas existem, queremos que as pessoas vivam bem, por isso atuamos com a orientação sobre os seus direitos. Temos hoje funcionárias que estudaram e se graduaram em serviço social, porque viam como eu trabalhava, gostavam da minha atuação e decidiram seguir esse caminho”, diz.

Divulgação
A diretora executiva Dulcinéa Pastrello

O trabalho começou com as crianças da Comunidade Água Branca. “Nós iniciamos as atividades aqui na Lapa e Água Branca em 1969, com o atendimento da comunidade local, que ainda permanece, que é a Comunidade Água Branca. Naquela época só havia os barracos e os padres que aqui chegaram faziam o atendimento das crianças que ficavam pela rua. Eles vinham aqui e passavam a tarde. Os padres serviam lanches e davam cestas básicas para as famílias. As crianças foram crescendo e apareceram novas crianças. Os seminaristas continuaram os trabalhos e sempre agendavam passeios para o zoológico, Parque da Água Branca, entre outros”, afirma Dulcinéa Pastrello. Fotos que mostram a trajetória e atendimentos realizados pela entidade ao longo dos anos estão disponíveis na sede do instituto. “Muitas dessas crianças que aparecem nas fotos, que foram atendidas há 50 anos, hoje têm seus netos que também frequentam aqui”, completa.

Com o passar dos anos, os serviços foram ampliados. “O instituto formalizou o atendimento através de parcerias junto à Prefeitura. A primeira foi a creche Santa Marina, depois a creche Santo Antonio e o CJ (Centro da Juventude). Com o crescimento da comunidade, com o mutirão de construção das casas e o Cingapura, foi criada a creche Santo Aníbal que atende 152 crianças de 4 meses até 3 anos de idade. A Santa Marina continua atendendo crianças de 2 a 5 anos. A creche Santo Antônio foi fechada e agora temos o CEI (Centro de Educação Infantil) e o CECI (Centro de Educação e Cultura Indígena) no Pico do Jaraguá”, afirma Dulcinéa.

Quando crescem, as crianças passam a ser atendidas no Centro de Convivência São Lucas, na Água Branca, e no Centro de Convivência Madre Nazarena, na Vila Leopoldina. “Em 1996 começamos a oferecer cursos profissionalizantes em quatro áreas: informática, confeitaria, elétrica residencial e técnicas administrativas. Hoje atendemos 160 jovens e adultos, de 15 a 60 anos nesses cursos”, completa.

Em 2003 a entidade foi convidada para assumir o Centro de Acolhida Zancone, na Avenida Imperatriz Leopoldina, que abriga 100 homens em situação de rua e mais pessoas nos períodos de baixas temperaturas.

Com problemas de assistência e habitação na região, o Instituto Rogacionista também está presente nas diversas mobilizações e organizações sociais das comunidades, lutas dos direitos das minorias, movimentos populares e de políticas públicas, como a participação no conselho de gestão da Operação Urbana Consorciada Água Branca (OUCAB). “O instituto chega a ter hoje mais de mil atendimentos diários, com 140 profissionais CLT e um grupo de 15 voluntários benfeitores que nos ajudam nos eventos e atividades com as crianças”, afirma Dulcinéa Pastrello. O Instituto Rogacionista Santo Aníbal fica na Avenida Santa Marina, 534, na Água Branca.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA