CPM encaminhará ofícios do mandato ao MP

0
345

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Reunião do Conselho Participativo Municipal da Lapa

O Conselho Participativo Municipal (CPM) da Lapa realizou sua última reunião do ano na quarta-feira (11), com presença de alguns dos novos conselheiros eleitos para o biênio 2020/2021.

A eleição aconteceu no domingo (8), com 264 votos válidos e 1 nulo. Foram eleitos Alberto Fernando Affonso Candido (3 votos) na Barra Funda, Maria Aparecida da Silva Teixeira (7 votos) pela Vila Jaguara, Vanessa Vitullo (9 votos) e Marco Antonio Marino (26 votos) pelo Jaguaré, Simone de Aguiar (13 votos), Clair Sampaio (5 votos), Humberto Moreira dos Santos (40 votos), Ronaldo de Oliveira Terra (11 votos), Edson Garcia Alves (10 votos), Danilo Lessa Bernardineli (5 votos/suplente) e Rubens Rodrigues Mendonça Junior (1 voto/suplente) pela Lapa, Sonia Rodrigues (32 votos), Maria Isméria Nogueira Santos (22 votos), Jacqueline Sotanyi Araujo (11 votos), José Antonio Chinelato Zagato (39 votos) e Pedro da Costa Manso Nabuco de Araújo (17 votos) para Perdizes, Lucia Aparecida de Sales Alexandre (12 votos) e Orlando Souza do Nascimento (1 voto) pela Vila Leopoldina, além de Maria Ester Xavier Pereira do Valle, na vaga destinada a imigrantes.

Os conselheiros apresentaram o trabalho realizado em seu mandato nos dois últimos anos com ofícios sobre várias questões da região, como a morte de uma criança na Comunidade Água Branca, uma ocupação irregular da Praça Tupã, o PIU Vila Leopoldina/Villa-Lobos, o Hospital Sorocabana, a tentativa de colocar uma carreta oftalmológica na Rua Sepetiba, no terreno do CDC que deveria ser destinado à construção da UBS da Vila Ipojuca, a remoção de famílias da comunidade do Jardim Humaitá, entre outros. Eles criticaram a falta de respostas do poder público em relação aos ofícios enviados e afirmam que vão encaminhar os documentos ao Ministério Público. Também falaram das visitas que fizeram nos distritos da Lapa para divulgar o conselho à população e sobre o aprendizado que tiveram durante o mandato.

Os conselheiros Antonio Zagato e Silvia Civatti estiveram em Paraisópolis no domingo (8), durante a homenagem realizada aos nove jovens que morreram após uma ação policial em um baile funk. Apesar de ser em outra região, eles relataram como os problemas da cidade estão interligados e falaram da importância da participação da população, de ter um conselho que represente os bairros e de cobrar os órgãos públicos. “A morte daquelas crianças ocorreu porque o governo não seguiu as regras, não seguiu a lei, que prevê outras estratégias de abordagem para aquele tipo de ação. E ainda era notável o cheiro de lixo durante a cerimônia de homenagem, porque não existe coleta adequada lá. Aqui, nós enviamos os ofícios e os agentes públicos não respondem e não tomam atitudes. Vamos encaminhar tudo ao MP”, afirma Zagato. “O poder público faz questão de minimizar o CPM, com pouca divulgação e sem recursos. Nosso conselho é muito importante para fomentar as pessoas a serem cidadãs. Temos que participar, é o nosso dever. Eu acompanhei a operação do pancadão que tinha na PUC, que levou praticamente um ano, foi estratégica e envolveu vários órgãos como PSIU, Polícia, Prefeitura e os comércios locais, sem agressão aos estudantes. Temos realidades díspares na cidade e mesmo aqui na região, enquanto na Jaguara os moradores estão lutando para canalizar um córrego, aqui lutamos para manter uma praça sem a construção de um piscinão”, completou a conselheira Vanessa Matarazzo.

Também foi cobrado que a Subprefeitura da Lapa envie o detalhamento do orçamento, de emendas parlamentares e das verbas destinadas aos eventos culturais na região.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA