Famoso Vilinha encerra atividades sem previsão de retorno

0
4233

Foto: Vilinha

Vilinha
Loja era famosa por doces e salgados

FrangÓ e Veloso que nos perdoem, mas a melhor coxinha de São Paulo é nossa, da Vila Romana. O Vilinha sempre recebeu críticas positivas, entre elas a da Adriane Galisteu que morava na região e compartilhou memórias do estabelecimento em seu blog. “Com moderação, claro que me permito sair da linha de vez em quando e me render a alguns prazeres gastronômicos, mas pra isso, tem que realmente valer a pena. É o caso dos salgadinhos da “Vilinha”, uma rotisserie que faz a melhor coxinha de frango que eu conheço. Antes de falar dessa delícia em si, preciso te contar que esse lugar faz parte da minha infância, porque eu nasci e cresci ali na Lapa, e era vizinha dessa maravilha. Mais que isso, a saudosa dona Sylvia, que começou esse negócio, também era minha professora no colégio. Enquanto dava aula, ela sempre levava bolos e docinhos naquelas festinhas que acontecem em datas especiais. Resultado: todo mundo adorava tanto tudo o que ela preparava, que logo as encomendas começaram a surgir. Quando estava prestes a se aposentar, em 1982, para a nossa sorte, ela resolveu abrir a “Vilinha”. Ali, no mesmo endereço que funciona até hoje (Rua Tito), passou a oferecer delícias herdadas de receitas de sua família, e de seu esposo, o Sr. Hamilton”, conta a apresentadora.

O negócio permaneceu em família e ficou 33 anos na Rua Tito até mudar para um outro imóvel na Rua Marco Aurélio em 2018. Além da coxinha, o Vilinha servia massas, frango assado, tortas e doces variados, porém com tudo isso que está acontecendo, não foi possível manter a loja funcionando. “Infelizmente fechei a Vilinha por tempo indeterminado. Temos nove funcionários e o movimento está muito fraco para permanecer funcionando. Nosso trabalho é basicamente presencial e delivery costumava ocorrer mais durante a noite, mas também caiu muito”, explica Hamilton Junior, que conta que está no processo de fazer a rescisão de contrato dos funcionários, dois deles que estão há 25 anos na Vilinha, para que eles possam acessar o Fundo de Garantia e seguro-desemprego.

Segundo Hamilton Junior, o movimento oscilava, sendo que após alguns anos difíceis, 2019 foi bom. Já 2020 começou bastante atípico, com poucos clientes em janeiro, e a expectativa era que após o carnaval tudo melhorasse, mas aí veio a pandemia. “Pensei muito para tomar essa decisão, afinal o negócio foi fundado pela minha mãe e meu pai, e demorei para ter coragem, mas não podemos pagar para trabalhar”, afirma o proprietário que ainda deixa uma esperança para seus clientes. “Até penso em voltar após essa confusão, mas talvez com outro modelo de negócio. Vamos ver”, completa.

A Junta Comercial do Estado de São Paulo informa que nos primeiros quatro meses de 2020, de janeiro a abril, 9.383 empresas foram encerradas na cidade de São Paulo. Já no mesmo período, 18.113 foram abertas, resultando em um saldo positivo de 8.730 novas empresas instaladas no município.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA