Diário da Quarentena 12

0
304

Se alguns de nós já estamos cansados de ficar em casa, entediados e com vontade de voltar às nossas rotinas, lógico, se houver segurança para isso, a semana não foi nada entediante aqui na região. Infelizmente não de um jeito bom.

Tivemos uma grande ocorrência policial na Rua Afonso Sardinha, no centro comercial da Lapa, com uma tentativa de assalto a banco com troca de tiros e mortes. Um lugar que normalmente é bastante movimentado, o que poderia ter impedido a ação dos criminosos ou torná-la ainda mais perigosa para quem estivesse passando por lá.

No Jaguaré um incêndio atingiu a Comunidade Diogo Pires, trazendo à tona mais uma vez os problemas já conhecidos de habitação na cidade. Em um período onde a recomendação é a de ficar em casa, para alguns isso não significa estar em segurança. E se os avanços dessa questão na esfera pública, da habitação de interesse social, ocorre muito lentamente, é difícil imaginar como será daqui para frente, enquanto ainda enfrentamos a crise de saúde e a crise econômica tem proporções indeterminadas até o momento.

A Prefeitura já começou a discussão do orçamento de 2021, com receitas estimadas muito próximas às que estão, ou melhor estavam, previstas para esse ano, já que as despesas de 2020 foram revistas por conta da pandemia. Se a participação na discussão do orçamento já era baixa quando ocorria de forma presencial nas subprefeituras, esse ano, de forma on-line, parece que tem menos pessoas envolvidas ainda. Teremos que esperar para a divulgação das propostas que já foram enviadas.

É difícil imaginar que as coisas vão voltar completamente à sua normalidade, mesmo com o fim da pandemia e uma vacina. E não se trata apenas de usar máscaras ou andar por aí munidos de álcool gel. A semana foi marcada também pelo início da retomada. A Prefeitura liberou o atendimento ao público em concessionárias e escritórios, com limitações. Mas nessa crise onde muitos perderam parte ou toda sua renda, setores como os de bares, casas de show e turismo não sabem quando vão poder ter um retorno confiável de suas receitas. E certamente a vida nunca mais será a mesma para quem perdeu alguém para a Covid-19.

A transição começou, mas a retomada vai ser lenta. Temos que fazer nossa parte, nos cuidar, colaborar para que a vida retorne a ser o mais próximo possível do que era antes. E que as coisas voltem a acontecer na região, mas não como os eventos que aconteceram nessa semana.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA