Comércio de rua e shoppings retomam atividades

0
424

Foto: Divulgação

Divulgação
Temperatura de clientes será medida na entrada do Shopping Center Lapa

Na quarta-feira (10) o comércio de rua e imobiliárias puderam retomar as atividades, seguindo o termo de compromisso assinado entre Prefeitura e entidades que representam os segmentos, que estão entre os que mais empregam na cidade. Foi determinado que o comércio poderá abrir as portas entre 11h e 15h e as imobiliárias vão abrir quatro horas por dia, com um horário de funcionamento em que a abertura e o fechamento não ocorram durante o horário de pico (7h às 10h e 17h às 20h). O prefeito Bruno Covas ressaltou que a cidade continua em quarentena e “embora a disseminação do vírus tenha sido controlada, é importante a população evitar deslocamento desnecessário”.

Além do horário, as entidades se comprometeram a realizar medidas de distanciamento social, higiene, sanitização de ambientes, orientação dos clientes e colaboradores, testagem de colaboradores e medição de temperatura dos clientes, utilizar um sistema de agendamento para atendimento, fiscalização e monitoramento do próprio setor (autotutela), e oferecer um esquema de apoio para colaboradores que não tenham quem cuide de seus dependentes incapazes no período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos.

Todos os setores qualificados na fase 2 do plano estadual já enviaram propostas de protocolo para reabertura à Prefeitura e entre 1º e 9 de junho foram recebidas 107 propostas de entidades setoriais. Para que as empresas voltem a funcionar no tempo certo e de maneira segura, as entidades deverão orientar e acompanhar os estabelecimentos que integram o seu setor econômico, garantindo o cumprimento do protocolo.

Segundo Douglas Formaglio, vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo e Coordenador das Sedes Distritais da ACSP, a entidade colaborou durante todo o processo com a Prefeitura e protocolou a proposta de reabertura de atividades comerciais e de prestadores de serviços já no dia 1º de junho. A ACSP também elaborou uma cartilha com a orientação e medidas de segurança que os comerciantes deverão observar para a reabertura gradual da atividade econômica. A cartilha está disponível para download no site (https://acsp.com.br) e poderá ser retirada nas distritais da ACSP.

Shoppings
Na quinta-feira (11) foi liberada a reabertura de shoppings com várias regras para evitar a transmissão do vírus. Os shoppings tiveram que escolher entre duas faixas de horário reduzido para atuar, das 6h às 10h ou das 16h às 20h, sendo que apenas um shopping do Brás escolheu o horário matutino. Os centros comerciais também terão que limitar a quantidade de pessoas, de forma que o público não seja maior que 20% da capacidade, realizar a medição de temperatura, disponibilizar álcool gel e só permitir a entrada com máscara.

O Shopping Center Lapa afirma que vai funcionar de segunda a sábado, das 16h às 20h, e, aos domingos, com abertura facultativa das lojas, também das 16h às 20h, com estacionamento gratuito no domingo. “As medidas preventivas visam proporcionar a maior segurança possível a todos os nossos clientes e lojistas. Estamos muito felizes em poder disponibilizar novamente nossos serviços, mesmo que com restrições. Vamos superar cada etapa deste processo, de forma consciente e colaborativa”, declara Tatiana Meluso, supervisora de marketing do Shopping Center Lapa.

O shopping informa que a higienização será feita com maior frequência nos corrimãos, escadas, elevadores e cancelas do estacionamento. O álcool gel estará disponível em dispensers em vários pontos das áreas comuns e os elevadores só irão circular com no máximo cinco pessoas. A praça de alimentação e os cafés vão operar apenas com delivery ou retirada no balcão de atendimento, durante o horário de funcionamento do shopping. Estarão fechados o Cantinho da Criança, Fraldário e a Central de Cursos. Ficará suspenso o empréstimo de carrinhos de bebê e os bebedouros serão desligados. “Esperamos contar com a compreensão de todos, por ser um momento delicado em que devemos estar juntos para superá-lo, com cautela. É um primeiro passo para que a economia comece a ter fôlego novamente e possamos encarar este novo normal, seguros”, conclui Tatiana.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA