Soninha discute fortalecimento da cultura e projetos da região

0
234

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Soninha Francine se reúne com artistas e produtores culturais na União Fraterna

A vereadora e candidata à reeleição pelo Cidadania Soninha Francine participou de uma reunião com agentes de cultura na quarta-feira (28) na Sociedade Beneficente União Fraterna. Participaram do encontro artistas e produtores culturais de diversas linguagens como o circo, música e grafite.

A abertura do evento contou com a apresentação de alguns projetos culturais realizados na região, como as ações desenvolvidas nas comunidades, o Cem Minas na Rua e a revitalização da Viela Ema Ângelo Murari, com o entendimento de que se os espaços públicos não são ocupados por cultura e ações positivas, eles se deterioram.

A importância da valorização da cultura também foi um dos temas do encontro. “Uma coisa que eu achava que estava superada, mas que a pandemia tornou evidente é que para muitas pessoas a cultura é algo de segundo plano. Quem teria sobrevivido ou mantido a sanidade na quarentena e isolamento sem cultura?”, declarou a vereadora.

Soninha apresentou algumas iniciativas para as quais destinou emendas, entre elas o conserto do elevador da Biblioteca Mário Schenberg, na Rua Catão, a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, o Teatro de Contêiner Mungunzá, o coletivo Fotógrafos pela Democracia, o festival Arte e Cultura na Kebrada e o festival de cultura indígena no Tendal da Lapa, sendo que a existência do centro cultural da Rua Guaicurus teve grande apoio da vereadora. “Sou uma peça fundamental para o Tendal continuar existindo. O Governo do Estado queria que o Poupatempo da Lapa fosse lá. Sei da importância do Poupatempo na região e jamais seria contra sua construção, mas conseguimos ter as duas coisas”, disse.

Outro tema da reunião foram os editais de cultura, passando pela necessidade de utilizar uma linguagem acessível para que mais pessoas saibam e possam participar, fomentar a publicação de editais regionalizados e priorizar que coletivos e artistas que nunca foram contemplados tenham preferência ao invés de grupos maiores que já se estabeleceram no meio que atuam.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA