Prefeitura inicia vacinação contra a Covid-19

0
217

Foto: Governo do Estado de São Paulo

Governo do Estado de São Paulo
Com o recebimento de novas remessas da vacina, serão incluídos na campanha, de forma escalonada, os demais profissionais de saúde e outros públicos prioritários, como idosos com mais de 75 anos.

A Secretaria Municipal da Saúde iniciou na terça-feira (19) a vacinação contra a Covid-19 na cidade. Com o repasse de cerca de 200 mil doses, a primeira fase da campanha prevê a imunização dos profissionais de saúde da rede pública e privada, o que representa 500 mil pessoas. A primeira profissional de saúde vacinada na cidade foi a técnica de enfermagem Helen Cristina de Camargo Seixas Pacheco, de 46 anos, funcionária do Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba.

Na primeira etapa serão priorizados os profissionais que atuam na linha de frente da assistência direta a pacientes com Covid-19 em hospitais (enfermarias e UTIs Covid-19) públicos e privados, prontos-socorros, UPAs, AMAs, UBS (profissionais da ponta para atendimento de sintomáticos respiratórios) e os profissionais que trabalham no SAMU Resgate.

Também fazem parte da primeira fase os cerca de 15 mil idosos residentes em Instituições de Longa Permanência (ILPIs) e os indígenas aldeados. No momento, não será disponibilizada imunização ao público geral nas UBSs ou em qualquer outro posto de vacinação.

A expectativa é receber mais 215 mil doses em até 15 dias para a segunda imunização deste mesmo público da primeira fase. Com o recebimento de novas remessas da vacina, serão incluídos na campanha, de forma escalonada, os demais profissionais de saúde e outros públicos prioritários, como idosos com mais de 75 anos. O esquema vacinal será de duas doses, com intervalo entre 14 e 21 dias entre elas.

A Prefeitura afirma que já está definida e estruturada toda a logística para a vacinação na cidade, assim como estão disponíveis os materiais necessários, como seringas e agulhas. Foram adquiridos cerca de 25 milhões de insumos e definidos 3.000 postos de vacinação, dos quais 1.000 são da rede pública. A campanha irá envolver cerca de 27 mil profissionais em toda a cidade, entre vacinadores e equipe de apoio.

Locais de Vacinação

Além de todas as 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da cidade, também serão montados cerca de 1000 postos satélites em locais como praças, shoppings, estações de metrô, terminais de ônibus, pontos comerciais e outras localidades com grande fluxo de pessoas. Os locais serão definidos pelas Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS), assim que a data de realização das campanhas for informada. Serão utilizados também cerca de mil equipamentos da saúde, como as AMAs 12h e 24h, prontos-socorros, Unidades de Ponto Atendimento (UPAs), Hospitais Dia e hospitais da cidade. Também serão utilizadas cerca de mil escolas, incluindo os CEUs.

Na quarta-feira (20), foi iniciada a vacinação da população indígena que vive em aldeias nos limites do município. Os primeiros imunizados pertencem a duas aldeias da região de Parelheiros, Tenonde Porã e Krukutu, que reúnem 913 pessoas.

Site

O Governo do Estado de São Paulo lançou o site (www.vacinaja.sp.gov.br) para que as pessoas aptas a receber a vacina realizem um pré-cadastro. Nesta estratégia do Governo, o primeiro grupo a receber a vacina é formado por profissionais de saúde, indígenas e quilombolas. Na terça-feira (19), o site já tinha recebido 1 milhão de pré-cadastros.

Esse pré-cadastro não é um agendamento, mas tem como objetivo agilizar o atendimento nos locais de vacinação e evitar a formação de aglomerações. Quem não realizar o cadastro não será impedido de ser vacinado se fizer parte do grupo prioritário.

O Governo alerta que não envia mensagens de texto (SMS) com links nem realiza contato telefônico para solicitar ou validar dados e informações e que a população deve ficar atenta às tentativas de golpes.

Fase vermelha

Na sexta-feira (22) o Governo anunciou maiores restrições em todo o Estado em decorrência do aumento do número de casos e mortes por Covid-19. A cidade de São Paulo voltará para a fase laranja durante a semana e, aos finais de semana, para a fase vermelha. Na fase laranja, todos os setores de comércio e serviços podem funcionar, com exceção dos bares. Salões de beleza, parques e academias podem abrir com 40% da sua capacidade e funcionamento de 8 horas por dia. O atendimento presencial deve ser encerrado às 20h. Já na fase vermelha, que vai valer entre 20h e 6h, todos os dias da semana, e aos sábados, domingos e feriados nas próximas duas semanas (dias 25, 30 e 31 de janeiro e 6 e 7 de fevereiro) permite apenas os serviços essenciais como mercados, farmácias, padarias e postos de combustíveis. Restaurantes, bares, salões de beleza, shoppings e comércio de rua não podem abrir. As mudanças valem a partir de segunda-feira (25).

 

 

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA