Hospital já

0
804

A luta comunitária pela construção de um hospital de referência em substituição ao Pronto-Socorro da Lapa começa com uma notícia preocupante: para o secretário da Saúde, Januário Montone, a Lapa não é região prioritária para receber um equipamento deste tipo, pois “já é servida pelo Hospital das Clínicas”.
Numa primeira rodada de conversações com o vereador Aurélio Nomura (PV) – que levou essa bandeira comunitária ao conhecimento da Prefeitura -, o secretário jogou um balde de água fria nos anseios da população. E o fez colocando na mesa uma justificativa que não se sustenta. De modo algum, como disse o vereador, pode-se dizer que as comunidades da Lapa estão bem servidas por contarem com o HC, que, na verdade, é uma estrutura de caráter macro e não local, atendendo gente do Brasil inteiro e de países vizinhos.
O único equipamento na região que atende a população via Sistema Único de Saúde (SUS) é o Hospital Soracabana, entidade privada que enfrenta problemas financeiros e deixa de prestar serviços em áreas importantes como pediatria, por exemplo.
Em 1994, o governador Fleury e a prefeita Luiza Erundina chegaram a fechar um acordo para a construção de um hospital no terreno ocupado pelo PS. Se há 14 anos Estado e Município definiram que na Lapa caberia a construção de um hospital, essa percepção do poder público deveria, hoje, estar ainda mais viva. É que nesse intervalo de tempo bairros como Lapa, Leopoldina, Romana e Jaguaré cresceram e continuam crescendo em ritmo acelerado. Multiplicaram-se, localmente, as demandas sociais por equipamentos públicos, sobretudo na área da Saúde, sem que o poder público acompanhasse adequadamente esse ritmo. Portanto, é mais do que justa a reivindicação comunitária por um hospital regional, nos moldes daqueles que a Prefeitura planeja e executa em bairros periféricos.
É inadmissível que por conta da centralidade geográfica, que nos coloca num raio de ação do HC e da própria Santa Casa, sejamos excluídos do mapa das ações municipais na área da Saúde.
Mais uma vez será preciso que todas as entidades de representação, sem exceção, se unam para cobrar do secretário Januário Montone e do prefeito Gilberto Kassab, a inclusão no Orçamento Municipal de 2009 verbas para o Hospital Geral da Lapa, resgatando a antiga promessa pública feita em 1994.

COMPARTILHE
Próximo artigoPRESTIGIO

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA