Audiência abre diálogo entre usuários e direção

0
680

Foto:

Direção do parque, políticos e membros do movimento

O Movimento SOS Parque da Água Branca cobrou da chefe de gabinete da Secretaria da Agricultura do Governo do Estado, Maria Christina Godoy, responsável pela administração do parque, e do diretor do parque, Antonio Teixeira, a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), na audiência pública realizada quarta-feira, 21, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. O documento pede a preservação das características rurais do Parque da Água Branca e propõe a recomposição das alterações feitas na área verde, por conta das obras feitas no parque.

Como o Parque da Água Branca é tombado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) e o Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo), Claudia Lukianchuki de Lacerda destacou que o movimento quer que a Lei do tombamento seja respeitada.

Além da preservação, o movimento pede a recomposição da mata próxima a entrada da Rua Ministro Godoy, que foi retirada durante a execução de um projeto da então primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Deuzeni Goldman, que transformou o local na Trilha Pau-Brasil.

O medo dos usuários é que o único parque tipo fazenda da Cidade fique descaracterizado. Em 2010 o Parque da Água Branca recebeu cerca de R$ 12 milhões para obras de melhoria e drenagem, que continuam em andamento.

Regina de Lima Pires reclama que o TAC espera por assinatura há cerca de três meses. Mesmo  assim, o encontro foi considerado positivo. Segundo Claudia,  a audiência consolidou o encontro que aconteceu dia 16, com a presença do promotor de Meio Ambiente. “A Secretaria de Agricultura na pessoa da sua chefe de gabinete, Maria Christina, e por extensão do diretor do parque, se abrem para um diálogo. Na sexta-feira(16) criou-se um grupo para atuar junto com a direção do parque para implementar aquilo que é possível no próprio parque”, disse ela.

Para Claudia é fundamental a criação de um Gonselho Gestor, como propõe o vereador Carlos Neder, autor do projeto (quando era deputado) que aguarda votação na Assembléia.  A chefe de gabinete da Secretaria de Agricultura, Maria Christina Martha Godoy, explicou que a proposta (do governo) é viabilizar os anseios da comunidade.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA