Soninha volta à Câmara depois de ser demitida por Doria

0
2388

Foto: Divulgação

Divulgação
Soninha reassume cargo de vereadora

A primeira baixa da gestão do prefeito João Doria foi Soninha Francine. A ex-VJ e jornalista deixou o cargo de secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social na tarde de segunda-feira (17), após ser demitida pelo prefeito João Doria, que registrou seu desligamento em vídeo pela rede social. Ao lado de Soninha, o prefeito disse que a decisão foi tomada em conjunto com a vereadora do PPS. Ela se afastou da Câmara Municipal no início do ano para atender o convite do prefeito para assumir a área social.

Soninha lamenta a declaração do prefeito e afirma que, ao contrário do que disse Doria no vídeo, não queria deixar o cargo. Apesar dos elogios, o prefeito declarou que queria uma força maior na gestão da secretaria e anunciou para o lugar de Soninha seu secretário adjunto, Filipe Sabará (NOVO). “Não gostei (da demissão), mas ele tinha uma expectativa em curto prazo e não tem como. Na avaliação do prefeito não dei o resultado (visível) que ele esperava”, afirma.

“Não fui obrigada a gravar” – O vídeo onde o prefeito faz o anúncio da saída de Soninha foi apontado como constrangedor nas redes sociais. Soninha aparece séria. Segundo ela, sua aparência retrata a reação de uma pessoa que foi demitida. Na sua página no Facebook, a ex-secretária de Doria postou considerações sobre o “comum acordo” anunciado pelo prefeito. “Eu resisti, mas aceitei gravar um vídeo ao lado do prefeito para que anunciássemos juntos a minha saída. Não me recusei; portanto, para efeitos práticos, concordei. Não fui obrigada a gravar. O que não foi de “comum acordo” foi minha demissão, oras. O prefeito desaprovou meu trabalho porque entende que eu não apresentei resultados (obras, etc) com a rapidez esperada. Eu não concordo, mas ele é o chefe e não precisa da minha concordância para me mandar embora”.

Retorno à Câmara – Depois de pouco mais de três meses como secretária de Doria, Soninha lamenta deixar o cargo sem terminar os projetos que começou. “Eu precisava de tempo, é uma área complexa”, lembrou a ex-secretária que tinha como atribuição da pasta as políticas voltadas ao atendimento integral às famílias, às crianças e adolescentes, às mulheres, aos idosos, às pessoas em situação de rua (como a concentração existente na Leopoldina) e às pessoas com deficiência, com prioridade aos segmentos que se encontrem em situação de maior vulnerabilidade social. “Eu amei (a experiência). É uma pena ter começado tantas coisas que não vou poder concluir”.

Soninha assumiu na terça-feira (18) o cargo de vereadora pelo PPS para o qual foi eleita com mais de 40 mil votos. “Agora volto para a Câmara e serei a vereadora mais bem informada”, conclui a ex-secretária que integra a Comissão de Finanças do Legislativo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA