Como formar um cidadão

0
433

Vivemos na mesma cidade, mas isso não significa que todos somos cidadãos. Apenas estar em um lugar não é suficiente. Cidadania não é algo que acontece de forma espontânea, passiva. É preciso exercê-la. Da mesma forma que queremos ter “bons vizinhos”, que respeitam a convivência, que cuidam do entorno que também é nosso, que não são motivo frequente de perturbação, deveríamos desejar estar cercados de bons cidadãos.

Para além das eleições, que também são muito importantes, afinal vivemos em uma democracia representativa e cabe a nós escolher quem queremos que conduza nossa cidade, estado e país, a cidadania deve estar no dia a dia. É um ato de cidadania fazer a separação e descarte correto dos resíduos, pensando na sustentabilidade que é urgente. É um ato de cidadania cuidar dos bens públicos, que são de todos, mas muitas pessoas os tratam como se não fossem de ninguém. É um ato de cidadania participar e cobrar daqueles que foram eleitos a implementação das melhores políticas, mesmo quando os governantes que estão no poder não são aqueles que gostaríamos.

Temos um dos melhores sistemas de saúde do mundo, considerando o formato. Falar do SUS para um estrangeiro chega a causar perplexidade, por ser um sistema universal, que fornece medicamentos de graça e cobre uma população de mais de 200 milhões de pessoas. Sabemos que ele tem falhas e precisa melhorar para cumprir aquilo que se propõe. Só reclamar dos problemas não adianta, é preciso agir. Estão em andamento as eleições para os conselhos gestores dos equipamentos de saúde da região, bem como de toda a cidade. Precisamos desses voluntários que são usuários da saúde pública, que conhecem seus pontos fortes e suas fraquezas. E mesmo para quem não quer se candidatar, participar das reuniões é algo que todos podem e deveriam fazer. Mesmo quando alguns gestores tentam limitar esse espaço de participação e controle social.

E se queremos cidadãos conscientes e participativos, é óbvio que as escolas têm um papel fundamental nessa missão. Para além dos conhecimentos gerais das matérias que estudamos, é na escola que temos acesso a outras visões de mundo, às vezes diferentes da que trouxemos de casa. É lá que aprendemos a conviver, a nos relacionar e, sobretudo, respeitar o próximo.

Não é possível ou aceitável que alguém com um cargo de direção em uma unidade de ensino, responsável por formar cidadãos, não tenha esse entendimento. Saiba mais nas próximas páginas.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA