Alento verde

0
140

Diante de tantas catástrofes provocadas pelas mudanças climáticas, é importante contarmos com um órgão regional responsável por pensar ações de sustentabilidade e proteger nossas áreas verdes e bacias hidrográficas. E o CADES – Conselho do Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura da Paz – aqui da Lapa vem cumprindo esse papel de forma exemplar desde que foi instituído, há 15 anos.

Já em 2009, o recém-criado CADES Lapa atuou de forma contundente na luta pela criação do Parque Leopoldina – Orlando Villas-Bôas, que viria a se tornar a primeira grande área verde nesse distrito em franca expansão imobiliária. Mais recentemente, o ativismo verde do CADES foi responsável por mostrar a inviabilidade do projeto da Prefeitura de se construir um piscinão na Praça São Crispim, localizada na Vila Ipojuca. Sempre interagindo e dialogando com a população e com o poder público, nossos conselheiros conseguiram que o projeto do piscinão fosse transferido para um local mais adequado, na Rua Tito, e estão apresentando, inclusive, soluções alternativas aos tradicionais métodos de drenagem, que sejam menos impactantes e baseadas na natureza. O GT de Arborização, uma das principais frente de trabalho do CADES Lapa, também atua fortemente para preservar e aumentar as áreas verdes da região, preocupando-se não apenas em ‘plantar por plantar’, mas em definir a espécie certa a ser plantada em cada local, estudando sempre a forma correta de realizar cada plantio.

O novo conselho da entidade para o biênio 2024/2026, que acaba de tomar posse, é sem dúvida formado por pessoas competentes e altamente engajadas nas questões ambientais e, sendo assim, certamente dará continuidade ao belo trabalho que o CADES Lapa vem realizando já há tanto tempo. Contudo, diante das grandes mudanças urbanísticas previstas para a nossa região – como, por exemplo, a implantação dos PIUs Leopoldina e Arco Pinheiros -, ou mesmo do impacto que as alterações no Plano Diretor da cidade trarão aos bairros da Sub Lapa, os atuais conselheiros deverão estar preparados para enfrentar grandes desafios. Caberá a eles acompanhar atentamente todas essas mudanças de forma que elas não prejudiquem o desenvolvimento sustentável dos bairros. E, ao mesmo tempo, olhar atentamente para as áreas mais periféricas da Sub Lapa, como a Jaguara e o Jaguaré, bolsões de grande vulnerabilidade, para que essas regiões cresçam mantendo a qualidade de vida de sua população.

Com o CADES atuando localmente em prol do meio ambiente e da  sustentabilidade, a cidade toda ganha e, quem sabe, assim, ficaremos menos suscetíveis aos efeitos nefastos das mudanças climáticas.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA