Clube City preocupa Soninha

0
544

Foto:

Subprefeita sabe que tem um problema nas mãos

Mais um problema na agenda de trabalho da
subprefeita Soninha Francine: o que fazer diante da subutilização do
Clube da Comunidade City (antigo CDM) localizado na Rua Sepetiba (Vila
Ipojuca)?
Na sexta-feira, 22, Soninha foi à sede do clube acompanhada do
supervisor de Esportes da Sub Lapa, Celso Goldemberg, para verificar o
atual quadro do equipamento público que tem vínculo direto com duas
entidades locais: Associação Amigos do Alto da Lapa e Lapa e Associação
City. Ambas, a partir de um acordo com a Secretaria Municiapal de
Esportes são responsáveis pela zeladoria do clube, mas encontram séria
dificuldades em manter o local. Na vistoria realizada, Soninha e Celso
deram de cara com claros sinais de perda de função do equipamento
esportivo, como a ocupação da quadra de bocha por uma empresa que
trabalha com cenografia. “Como mais ninguém utilizava a quadra,
decidimos alugar o espaço como forma de arrecadar recursos para
podermos manter o clube funcionando”, afirma a presidente do Clube da
Comunidade City, Marisa Noronha Carreira.
Em janeiro de 2008, em reunião com representantes da Prefeitura, a
Associação Amigos do Alto da Lapa e Lapa e Associação City receberam a
informação: em até seis meses, a Secretaria Municipal de Esportes
transformaria o equipamento no Clube Escola . A partir de um processo
de licitação, uma entidade (ONG, por exemplo) assumiria a prestação de
serviços para os alunos das redes públicas (estadual e municipal) e
rede particular, organizando atividades de segunda à sexta-feira, das
8h às 17h.
Naquele mesmo mês, em entrevista ao JG, o secretário de Esportes,
Walter Feldman, garantia “que essa transformação, desde já, envolve o
diálogo direto com as comunidades que fazem uso regular do equipamento.
Nossa proposta é iniciarmos um trabalho em parceria efetiva com a
comunidade”.
De lá para cá nada disso aconteceu. Agora, cabe à Supervisão de
Esportes da Sub Lapa encontrar um caminho que resgate esse espaço
comunitário. “Vamos avaliar o caso e ver qual o melhor destino para
essa área”, afirma a subprefeita Soninha.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA