Entidades pedem adiamento de audiência pública marcada para véspera de feriado

0
2574

Foto: Maria Isabel Coelho

Maria Isabel Coelho
Area da Votorantim e entorno está no plano em discussão para reurbanização

A associação Viva Leopoldina que reúne novos condomínios do bairro protocolou pedido de adiamento da audiência pública de apresentação do Projeto de Intervenção Urbana – PIU Leopoldina na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano na sexta-feira, 28.

Além da Viva Leopoldina, o ofício conta com o apoio de entidades como Amocity e Assampalba, dos Consegs (Conselhos Comunitários de Segurança) da Leopoldina e Lapa e Perdizes além de alguns conselheiros participativos (Paulo Cesar Maluf, Shirley dos Santos, Cássia Vilas Boas, Sinuhe Alberice, Edson Sales, Luiz Batista de Paula, Valdeny Silva – Borracha, Vania Maria Gatti Lima), síndicos de condomínios da região e do Movimento de Amigos da Vila Anglo.

Segundo o diretor do Viva Leopoldina, Calos Alexandre Oliveira, a associação apoiada por diversas entidades da Lapa e região pede o adiamento (para março de 2017) e a mudança de local da audiência marcada para essa terça-feira, 1, na Igreja Palavra Viva (Rua Imperatriz Leopoldina, 1415, às 19h.

O documento aponta quatro motivos para justificar o pedido de adiamento: local (Igreja Palavra Viva) inadequado para o debate, a sugestão é que a audiência aconteça no salão Nobre da Câmara Municipal.

Outro ponto é a realização da à audiência (em 1 de novembro) na véspera do feriado de Finados, cerceando a participação pela de toda comunidade.

O ofício também destaca que a Votorantin e o URBEM não ouviram as associações de bairro, os Consegs e demais entidades da região se limitando a apoiar as oficinas realizadas por uma única entidades, o Fórum Social da Leopoldina. O quarto ponto apontado é a falta de transparência no que se pretendem desenvolver na área com cerca de 29 mil metros, entre o Parque VillaLobos, Marginal, Ceagesp. “A Votorantim a o URBEM não apresentaram compromissos claros de reurbanização das favelas nos locais já existentes”, frisa o documento. “A associação Viva Leopoldina não é contra a reurbanização de favelas. Nós vamos apoiar a reurbanização da comunidade da Linha e do 9. O que está acontecendo é que esse pessoal está sendo enganado. Eles estão sentados em cima de um terreno que vale uma fortuna e estão convencendo essas pessoas a se mudar para um outro terreno contaminado ao invés de reurbanizar  aonde eles estão localizados, sendo que existe um projeto assinado pelo (Instituto) Acaia (e outros parceiros) de 2010”, diz Oliveira.

Consultada sobre o pedido de adiamento, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano informa que a data da audiência está mantida, mas que vai responder a todas as entidades que protocolaram a solicitação. A SMDU esclarece que nesta terça-feira (1) será feita apresentação e coletada propostas  para o PIU e que depois outras audiências serão realizadas sobre o plano.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA