Conselho cobra andamento para reabertura do Sorocabana

0
693

Foto: Bárbara Dantine

Bárbara Dantine
Conselheiros de saúde da região Lapa / Pinheiros discutem processos do Sorocabana

Na reunião do conselho gestor do Distrito de Saúde Lapa / Pinheiros o conselheiro Carlos Rodrigues apresentou um levantamento sobre o histórico processual do Hospital Sorocabana. Entre discussões sobre reformas da unidade e a liberação do termo de permissão de uso da área, o movimento mais recente no processo, segundo os dados apresentados por Rodrigues, foi o encaminhamento da secretária-adjunta da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Maria da Gloria Zenha Wieliczka, do processo para conhecimento e providências para o uso da área para Tânia Pedroso, chefe de gabinete da Autarquia Hospitalar Municipal.

O encaminhamento foi recebido pela autarquia no dia 24 de fevereiro deste ano, e até então, nada foi informado sobre o que acontecerá com o hospital. Com a apresentação, os conselheiros propuseram criar um documento para encaminhar para Lúcia Mota, coordenadora de Saúde da Região Oeste. Carlos Rodrigues afirma que já informou Valéria Franzese, supervisora de Saúde da região Lapa / Pinheiros, sobre o caso. Em fevereiro deste ano, moradores da Lapa protocolaram um abaixo-assinado com cerca de 8 mil assinaturas, pedindo ao prefeito João Doria e ao secretário de Saúde Wilson Pollara para priorizar a reforma e reabertura do Hospital Sorocabana.

O conselheiro Valdemar Pereira falou sobre mudanças no programa de metas apresentado pela Prefeitura no dia 10 de julho, após a coleta de contribuições da população. Ele afirma que das três Unidades Básicas de Saúde previstas para a região (Nova Jaguaré, Sepetiba e Lapa de Baixo) apenas uma será contemplada. O documento do governo aponta a reforma e readequação de três UBSs situadas na região da Lapa, e nenhuma nova unidade. A população poderá questionar a questão na audiência pública devolutiva que será realizada na Prefeitura Regional da Lapa (Rua Guaicurus, 1000) na segunda-feira (31), às 19h30.

Outro tema debatido no encontro foi a necessidade do Caps (Centro de Atenção Psicosocial) de Perdizes, que está com um número de profissionais insuficiente para a demanda. A unidade conta com apenas uma psiquiatra para atender os 243 usuários do centro, assim como o novo público que chega para o primeiro atendimento. Os funcionários e pacientes fizeram uma abaixo-assinado pedindo um aumento de servidores para a unidade que deverá ser encaminhado à Secretaria de Saúde.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA