Irregularidades nas eleições da AIU-VL

0
255

Umberto de Campos Sarti Filho, Presidente da Associação Viva Leopoldina (AVL) e Conselheiro do Participativo Municipal e membro do Conselho Gestor do Parque Orlando Villas Bôas

 

No início de 2023 aprovamos o PIU Leopoldina após 7 anos de discussões. Este tempo seria reduzido a metade, não fosse a atuação desastrada da Secretaria Municipal de Urbanismo (SMUL), que ignorou a fiscalização e a voz da sociedade civil, em audiências públicas pouco eficientes.

A aprovação só andou após a mediação do Vereador Rubinho Nunes (Comissão de Urbanismo) e do Prefeito Ricardo Nunes que ouviu os moradores da região. O caso foi resolvido em menos de 6 meses e a lei aprovada. Ganhou a cidade, bairro e os moradores das comunidades da Linha, do Nove, que terão 900 moradias dignas acompanhadas de equipamentos públicos.

Tudo isto agora corre risco de parar na justiça. Servidores da SMUL negaram vistas prévias a documentação ao fiscal da sociedade civil, tratando-o como suspeito: aprovaram Associação sem ata registrada em cartório (aceitaram a anterior: clara preclusão de direito) e outra que não atua no perímetro do Arco Pinheiros, mas que tem em seus quadros ativista que não atuou no PIU e que vem criando entraves ao desenvolvimento urbanístico da cidade.

Em jogo, um leilão de mais de R$ 200 milhões de reais em outorga.

Mesmo numa questão praticamente resolvida, servidores criam dificuldades em algo simples que é seguir o edital vigente. Perda para a cidade e o Prefeito.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA