Direitos previstos e na prática

0
134

Saúde, educação e segurança. Todos esses temas estão presentes nas matérias desta edição do JG. São também motivo de grande debate entre os moradores da região e deveriam estar permanentemente em pauta na agenda dos governos.

A segurança talvez seja a preocupação mais urgente, uma vez que afeta diretamente nossa integridade física e patrimonial. Mas, se pensarmos bem, não deixa de ser uma grande forma de violência quando a população é negligenciada com a falta de qualidade na saúde e educação. O baixo investimento e precariedade nos serviços são responsáveis pelo grande abismo entre o País que temos e o que poderíamos ter.

A Lapa conta com bons representantes nos conselhos gestores dos equipamentos de saúde da região. Pessoas que abraçam a causa e lutam para conseguir melhorias, entender os processos administrativos e denunciar as irregularidades.

Nesta semana, foi realizada uma audiência pelo Ministério Público para apurar e entender o processo de fechamento das AMAs pela Prefeitura. A Secretaria de Saúde afirma tratar-se de uma simples reorganização, cujas demandas serão absorvidas por outros equipamentos. A população criticou a perda de um canal de atendimento, quando toda a rede de saúde apresenta problemas.

Nossa Constituição entende a saúde como um direito de todos e dever do Estado, com acesso universal à população, do simples atendimento ambulatorial aos transplantes de órgãos. Na teoria, um modelo que parece muito bom. Mas na prática não é bem assim. Não adianta ter uma previsão na lei se, no momento de necessidade, é preciso esperar horas em uma fila para ser atendido, faltar materiais para um procedimento ou, pior, uma doença avançar por causa da demora para conseguir marcar uma consulta. É compreensível as iniciativas do poder público em cortar gastos após a crise que até hoje afeta o País. Mas governo após governo, crise após crise, a população têm dificuldades para encontrar a eficiência e eficácia que um bom sistema de saúde pressupõe.

Apesar das dificuldades que temos para exercer plenamente os nossos direitos, alguns casos nos surpreendem de forma positiva. Como o caso de uma ex-aluna da região que poderá representar o Brasil no exterior por causa de um projeto que desenvolveu em sua escola. Ainda não contamos com o investimento público desejado para a educação, mas, felizmente, temos um povo bastante solidário que pode ajudar muito uma pessoa que, em troca, quer estudar para ajudar muitas outras. Saiba mais sobre essa história nas próximas páginas.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA