A (i)mobilidade brasileira

0
365

Hoje, dia 31 de maio, quando escrevo estas linhas, a paralisação dos caminhoneiros que o Brasil vivenciou já perde força. O abastecimento e a vida dos cidadãos começam a voltar à normalidade, mas as memórias destes dias certamente perdurarão e precisamos aprender com elas.

As lições são muitas, mas vou me ater a uma: um sistema logístico com alicerces em um único modal não pode funcionar.

É assim nas cidades. Precisamos ter transporte público, sobre roda e sobre trilhos, boas vias para veículos e calçadas, como as que priorizamos no Lapa 21. Um sistema integrado evita gargalos e não deixa a população refém.

E, como vimos, é assim em um país. Os trilhos não são a solução mágica, mas são parte dela, se aliados aos caminhões e as hidrovias, que podem ser resgatadas. Uma rede conectada e eficiente.

O brasileiro tem mania de concentrar as coisas. Temos aqui a CEAGESP que é um exemplo disso. Tudo precisa chegar lá para depois sair, muitas vezes de volta para o lugar de onde veio. O modelo é burro e o resultado é que facilmente entra em colapso.

Nestes dias de greve quem vendeu algo por lá foram produtores locais. Isto é outro fator para a inteligência da rede: descentralização.

O baque da greve foi grande e rápido porque não temos políticas públicas estruturadas. Resta saber agora se serviu de aprendizado, ou se foi só mais um capítulo da nossa história de soluções de curto prazo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA