Páscoa comunitária

0
1601

Abalada com a divulgação da lista de inquéritos abertos no âmbito da Operação Lava Jato, a sociedade pode aproveitar a Páscoa para um momento de reflexão, seja dos supostos envolvidos nos desvios milionários de recursos públicos ou como eleitor que ajudou a colocá-los em postos de representação, dando a eles o poder de decidir o rumo do País. Pensar e analisar as práticas políticas pode ajudar a entender o papel de cada um na vida comunitária, seja dirigente de entidade, lideranças ou membro de algum conselho (Participativo, de Meio ambiente, de Saúde ou de Segurança) – eleito.

A lista do ministro do STF Edson Fachin traz investigados com foro privilegiado. Entre eles oito ministros de estado, três governadores, 24 senadores e 39 deputados. Também estão entre os pedidos de investigação os ex-presidentes Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT, e Fernando Henrique Cardoso do PSDB. Todos citados na delação de executivos do Grupo Odebrecht, que criou um departamento de operações estruturadas para receber dinheiro público em benefício próprio e de políticos de vários partidos. Os ex-prefeitos de São Paulo Fernando Haddad (PT) e Gilberto Kassab (PSD) também figuram entre os citados.

Por maiores que sejam os indícios envolvendo esse ou aquele político, é preciso lembrar que não se trata de condenação, mas de uma investigação que precisa de rapidez no desfecho para evitar a paralisia do País. Se aproveitaram o “voto de confiança” do eleitor para usurpar o dinheiro público em proveito próprio, eles devem ser punidos e extirpados, como um câncer, da vida pública.

Aliás, a vida política começa em pequenas ações nos bairros. Motivo que exige atenção de todos nas ações, projetos e reuniões daqueles que se alicerçam em eleições de conselhos ou encontros temáticos perto de casa. Quem oferece disposição para a melhoria de equipamentos e benefício coletivo merece o voto. Já aqueles que dão sinais, mesmo que pequenos, de práticas viciadas para benefício próprio, devem ser afastados de qualquer tipo de representação comunitária. A melhor forma é ficar sempre alerta como um escoteiro.

É verdade que não se pode condenar ninguém antes do veredito, mas a falta de dinheiro público reflete o caos em vários setores com menos investimento como educação, saúde, habitação, infraestrutura, entre outros. Mensalão, Petrolão, Lava Jato são alguns casos a analisar antes das eleições de 2018. Saber quem é quem na política facilita a escolha na hora da votação e evita consequências catastróficas.

A Páscoa celebra a ressurreição de Jesus Cristo. A data serve de reflexão, principalmente para lideranças, conselheiros e entidades para repensarem a atuação local. A celebração do cinquentenário da Associação da Lapa de Baixo nesta segunda-feira pode ser uma oportunidade de iniciar essa nova fase comunitária. Em um País abalado pela crise política e institucional, muitas podem ressurgir após a Páscoa.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA